História

História da Raça Rubro-Negra

No futebol acontecia um Campeonato Brasileiro com 62 clubes, dividido em 6 grupos. Neste mesmo ano, o FLAMENGO vencia tão somente o Troféu Antonio Valmir Campelo Bezerra, em Brasília (DF) com uma vitória sobre o Gama por 2x1.

 

Apesar dos excelentes números, neste período, o RUBRO NEGRO não conquistara nada de extraordinário, foram disputados 71 jogos, com 45 vitórias, 18 empates e apenas 08 derrotas. Dentro de campo não havia algo digno de destaque, entretanto nas arquibancadas havia um misto de mistério e suspense. Desde o empate com o Bahia (em Salvador) ocorrido em novembro do ano anterior, o clima na Torcida Flamor estava diferente, alguns de seus membros mais influentes, haviam se desligado da agremiação após um desentendimento, entre eles Cláudio Cruz e seu irmão César Lúcio. Em um período aproximado de 06 meses após o afastamento de ambos, uma onda de propaganda que envolvia desde cartazes espalhados pelo Maracanã até anúncio em rádio e pequenas notas nos jornais da época, anunciavam que estava prestes a surgir O MAIOR MOVIMENTO DE TORCIDAS DO BRASIL.

 

Todos se perguntavam: O que seria isso? Quem estava por trás de tudo? Seria mesmo um movimento consistente ou mais uma dentre as dezenas de torcidas que surgiam e desapareciam algumas rodadas após sua fundação? Não restava outra alternativa, a não ser aguardar o tão esperado dia 24 de abril de 1977. O cenário era perfeito, um clássico contra o grande rival seria 'pano de fundo' para este momento tão memorável. Os ponteiros pareciam travados e os relógios davam a sensação de aderir a algum protesto que os impedia de 'trabalhar', mas não houve jeito, amanhecia no Rio de Janeiro o dia 24 de abril, o dia destinado ao encontro do MAIOR MOVIMENTO DE TORCIDAS DO BRASIL com a maior platéria do UNIVERSO. O resultado da partida foi adverso, mas naquela tarde, nada seria capaz de frustrar o grande plano, a grande sacada, a revolução que as arquibancadas do Brasil e do mundo passaram a conhecer como RAÇA RUBRO NEGRA - O MAIOR MOVIMENTO DE TORCIDAS DO BRASIL.

 

Aqueles que julgaram o movimento como simplesmente mais um grupo de torcedores, foram obrigados a tirar o chapéu. Nascia ali no MAIOR ESTÁDIO DO MUNDO, o MOVIMENTO que converteria a sensação de assistir um espetáculo, na importância de participar ativamente do próprio. Aquele grupo de jovens cheios de amor, paixão e ideologia dariam o toque de Midas que as arquibancadas desconheciam e as torcidas necessitavam. Até então os torcedores orgulhavam-se em ser tratados respeitosamente como o decimo segundo jogador, porém essa alcunha definia o camisa 12 como aquele atleta que sentava no banco de reservas e entrava apenas quando solicitado.

 

Com a RAÇA RUBRO NEGRA era diferente, os jogadores chegavam no gramado do Maracanã e as camisas vermelhas já estavam lá, enquanto os atletas se aqueciam, a RAÇA já estava a plenos pulmões com seus cânticos ritmados e ricos em mensagens de apoio e incentivo. Ou seja, o 12 jogador acabava de assumir a responsabilidade de ser o jogador principal, aquele componente que sua ausência seria lamentada pelo FLAMENGO e comemorada pelos rivais. Mas isso era impossível, a torcida que acolheu e viu nascer a maior geração de jogadores na história do futebol mundial, jamais deixou o clube sozinho. Onde o FLAMENGO ousou desfraldar seu manto sagrado, lá estava a bandeira da RAÇA RUBRO NEGRA, fazendo, criando e contando histórias. Seja no Japão, no Iraque, em todos os países da América do Sul e nos Estados Unidos, França, Inglaterra, Espanha e tantas outras nações.

 

A RAÇA RUBRO NEGRA transformou o 'frio' ato de torcer em uma questão de sobrevivência, torcer pelo FLAMENGO deixava de ser opcional e transformava-se na razão de viver daquela geração que não parava de crescer. Sentar na arquibancada e ficar de pé apenas nos ataques mais perigosos, fazia parte do passado. Aquele grupo começava a ditar conceitos e revolucionar seu espaço, assistia aos 90 minutos de pé e o apoio limitado transformava-se em ininterrupto. As loucuras que esse MOVIMENTO fazia pelo FLAMENGO, deixavam de ser apenas na esfera da postura e começava a ultrapassar limites até então inimagináveis. Uma dessas demonstrações de amor e entrega, foi a compra de uma produção inteira da fábrica do Papel Higiênico Carioca, marca muito conhecida na época. Diversas carretas contendo milhares de rolos deste papel, deram vida a maior 'chuva'que o Maracanã conheceu. O espetáculo visual chamou a atenção de todos e emocionou outros tantos que se abraçavam comemorando o feito como se um gol de placa fosse.

 

Ninguém mais ousava duvidar, o grupo de jovens transformara-se mesmo em um movimento, não em um ajuntamento qualquer, mas sim no MAIOR MOVIMENTO DE TORCIDAS DO BRASIL. Aqueles que deixaram de apenas assistir aos jogos e 'sentar no banco de reservas', para apoiar, incentivar, entrar em campo e em diversas oportunidades virar jogos memoráveis e vencer decisões quase impossíveis. Como fizeram em 1983 (diante do Santos), nos jogos finais que decidiram o Campeão Brasileiro daquele ano. O FLAMENGO havia perdido o 1 jogo no Morumbi por 2x1 e na partida de volta (no Maracanã) somente uma vitória tornaria o RUBRO NEGRO TriCampeão do Brasil. O time da Baixada Santista chegara com méritos aquela final, era o prenúncio de um jogo dificílimo, mas os INCANSÁVEIS integrantes da RAÇA RUBRO NEGRA trataram de entrar em cena. Através de uma enorme coincidência, descobriram que o elenco do Santos havia anunciado a hospedagem em um hotel no Rio de Janeiro e na verdade estariam em outro.Ciente dessas informações, convocaram grande parte de seus integrantes, reuniram-se de madrugada na porta do hotel e iniciaram uma queima de fogos até então jamais presenciada. Não eram raras as vezes em que atletas santistas apareciam na sacada demonstrando desespero e confirmando que o plano havia dado certo, eles não estavam conseguindo dormir. O barulho era realmente ensurdecedor e só cesssara quando o dia já ameaçava raiar, dali mesmo os integrantes da RAÇA RUBRO NEGRA foram direto para o Maracanã preparar a festa que aconteceria nas arquibancadas. Atitudes como essa eram completamente movidas pela paixão e não comprometiam a integridade física de ninguém. Nessa intensa queima de fogos, a única coisa que ficou comprometida, foi o sono dos jogadores do Santos, que durante a partida demonstraram o efeito da 'insônia' com imenso descontrole agravado por 3 gols aplicados sem dó pelo esquadrão RUBRO NEGRO liderado por Zico.

 

No final das contas o FLAMENGO conquistara o BRASIL pela 3 vez e a RAÇA RUBRO NEGRA provava e compravava que havia nascido para entrar em campo e virar jogos difíceis como fez e faz com imensa maestria até os dias atuais, acompanhando o FLAMENGO onde quer que ele jogue. Demonstrando com RAÇA, AMOR E PAIXÃO a verdadeira sinergia resultante da fusão TIME e TORCIDA. Honrando e exercitando a temida pressão até hoje citada e vivida por todos aqueles adversários que possuem a terrível (e quase impossível) missão de derrotar o FLAMENGO em um estádio lotado diante da sua empolgante e apaixonante torcida, diante de seus seguidores e diante da inigualável e jamais imitada RAÇA RUBRO NEGRA - O MAIOR MOVIMENTO DE TORCIDAS DO BRASIL

 

Facebook

Instagram

Instagram

Twitter

© 2016 Raça Rubro-Negra